Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
Alkantara CLÁUDIA DIAS Quarta-Feira

Alkantara CLÁUDIA DIAS Quarta-Feira

Teatro & Arte | Dança Contemporânea

Maria Matos T. M.

Sala Principal
Classificação Etária
Maiores de 14 anos
Bilhete Pago
Todas as Idades
2018
jun
07
a
2018
jun
08
Realizado

Duração

60 minutos

Intervalo

Sem Intervalo.

Promotor

EGEAC, Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural

Sinopse

O cenário é um enorme buraco no meio de placas de gesso laminado, como se uma bola de ferro gigante tivesse caído num chão de pladur. Ao construir o espaço cénico com o mesmo material de construção usado em milhares de casas portuguesas, para logo de seguida começar a desconstruir, Cláudia Dias e Igor Gandra fazem alusão direta a tudo o que é varrido para baixo do tapete ocidental. Apesar de os bombardeamentos aéreos por parte de forças militares europeias serem hoje em dia facilmente visionáveis na internet ou na TV, a ligação entre os nossos lares e as crateras abertas por mísseis noutro lado qualquer não é tão visível assim. Este buraco negro no meio do Teatro Maria Matos alude a essa ligação causal. Não se trata apenas de mostrar a responsabilidade das sociais-democracias europeias nos massacres que estão a ocorrer agora no resto do mundo. O olho negro no meio do chão é uma imagem de sinal negativo que nos revela o que está por fazer.
Jorge Louraço Figueira

Quarta-feira: O tempo das cerejas (Wednesday: The cherry season) é a terceira peça do projeto Sete Anos Sete Peças. Depois de Segunda-Feira: Atenção à Direita! (estreia no Alkantara festival 2016) em que Cláudia Dias subia ao ringue de boxe e lutava com Jaime Neves e Terça-Feira: Tudo o que é sólido dissolve-se no ar (2017) no qual, em conjunto com Luca Belezze, vestia a pele de operária numa espécie de cartoon ao vivo urdido a partir de um fio, a artista sobre ao palco e aborda novas técnicas com Igor Gandra cujo o trabalho tem sido no campo do teatro de/e com marionetas e objetos.

Ficha Artística

Direção artística Cláudia Dias
Artista Convidado Igor Gandra
Intérpretes Cláudia Dias e Igor Gandra
Cenário e Marionetas Igor Gandra e Cláudia Dias
Realização plástica Eduardo Mendes
Oficina de Construção Igor Gandra, Cláudia Dias, Karas, Eduardo Mendes, Daniela Gomes e Nádia Soares
Desenho de Luz Thomas Walgrave
Acompanhamento Crítico Jorge Louraço Figueira
Direção Técnica Nuno Borda de Água
Apoio Teatro de Ferro
Residências Artísticas TMP/Teatro Campo Alegre, Teatro de Ferro, Companhia de Dança de Almada, Centro de Experimentação Artística do Vale da Amoreira. Cláudia Dias é artista associada de O Espaço do Tempo
Coprodução Maria Matos Teatro Municipal, Teatro Municipal do Porto, Centro Cultural Vila Flor
Produção Alkantara

O Projeto Sete Anos Sete Peças tem o apoio da Câmara Municipal de Almada.

Alkantara A.C. é uma estrutura financiada por República Portuguesa Cultura/Direcção-Geral das Artes e Câmara Municipal de Lisboa

Partilhar
Cartão São Luiz

Serviços Adicionais

Veja ainda: